Chico Buarque: citando “assim de viés”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25094/rtp.2021n32a758

Palavras-chave:

MPB, Chico Buarque, poesia hispano-americana, intertextualidade, citação.

Resumo

O artigo discute como Chico Buarque se apropria da tradição musical e literária em suas canções. A análise de “Rubato” (2011) oferece elementos que permitem considerar o jogo de roubos, trocas e retoques encenado nos versos como expressão de uma concepção que não distingue a criação das práticas de escuta e leitura. Considerando a intertextualidade para além da identificação do intertexto e assumindo que o cancioneiro buarqueano está semeado de “bifurcações”, proponho um modo de escuta de duas canções, “Pedro pedreiro” (1966) e “Construção” (1971), a partir da relação possível com a poesia dos hispano-americanos César Vallejo e Juan Gelman.

Biografia do Autor

Mayra Moreyra Carvalho, Universidade de São Paulo (USP)

Doutora em Letras pela Universidade de São Paulo/USP, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Referências

BACCHINI, Luca. Se Chico Buarque numa noite de inverno... Apologia do plágio em Budapeste, Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 63, 17-41, abr. 2016.

BACCHINI, Luca. Renata Maria ou a fenomenologia de um momento de sublime danação. In: FERNANDES, Rinaldo de (org.). Chico Buarque: o poeta das mulheres, dos desvalidos e dos perseguidos; ensaios sobre a mulher, o pobre e a repressão militar nas canções de Chico. São Paulo: Leya, 2013. p.123-134.

BOSI, Alfredo. Céu, inferno. São Paulo: Duas cidades; Ed. 34, 2003.

BUARQUE, Chico. Chico. Produzido por: Luiz Cláudio Ramos, Vinicius França. Rio de Janeiro: Biscoito fino, 2011.

CHALOUB, Jorge. Um outro Chico, um outro país: divagações sobre “Caravanas”. 2017. Disponível em: https://revistaescuta.wordpress.com/2017/11/27/umoutro-chico-um-outro-pais-divagacoes-sobre-caravanas/. Acesso em: 27 set. 2020.

CHKLOVSKI, Victor. A arte como procedimento. In: Teoria da literatura. Formalistas russos. Trad. Ana Maria Ribeira et al. Porto Alegre: Globo, 1970, p. 39-56.

COMPAGNON, Antoine. O trabalho da citação. Tradução Cleonice Mourão. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1996.

FERRARI, Américo. César Vallejo entre la angustia y la esperanza. In: VALLEJO, César. Obra poética completa. Madrid: Alianza editorial, 2006. p. 9-55.

GELMAN, Juan. Gotán. Buenos Aires: Ediciones Horizonte, 1962.

JAKOBSON, Roman. Dois aspectos da linguagem e dois tipos de afasia. In: JAKOBSON, Roman. Linguística e comunicação. Tradução Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 2007. p. 33-62

JENNY, Laurent. A estratégia da forma, Tradução Clara C. Rocha, Poétique. Revue de Théorie et d’analyse litteraires, n. 27, p. 5-49, 1979.

MASSI, Augusto. Chico Buarque volta ao samba e rememora 30 anos de carreira. Folha de S. Paulo, São Paulo, 09 jan. 1994. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1994/1/09/mais!/3.html. Acesso em: 02 set. 2020.

MENESES, Adélia Bezerra de. Desenho mágico. Poesia e política em Chico Buarque. São Paulo: Hucitec, 1982.

NESTROVSKI, Arthur. Carioca de Chico Buarque. Folha de S. Paulo, São Paulo, 29 ago. 2004. Disponível em: https://erratica.com.br/opus/59/index.html. Acesso em: 02 set. 2020.

NESTROVSKI, Arthur. Chico. In: NESTROVSKI, Arthur. Tudo tem a ver: literatura e música. São Paulo: Todavia, 2019. p. 338-346.

OLIVEIRA E PAIVA, Vera Lúcia Menezes de. A metonímia como processo fractal multimodal, Veredas, v. 14, n. 1, p. 07-19, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/veredas/article/view/25136. Acesso em: 02 set. 2020.

PASSOS, Cleusa Rios Pinheiro. Chico Buarque: Que sonho é esse? In: FERNANDES, Rinaldo de (org.). Chico Buarque: o poeta das mulheres, dos desvalidos e dos perseguidos. Ensaios sobre a mulher, o pobre e a repressão militar nas canções de Chico. São Paulo: Leya, 2013. p. 69-84.

PASSOS, Cleusa Rios Pinheiro. De quadrilha em quadrilha: Drummond em Chico Buarque de Hollanda. In: BOSI, Viviana et al. (org). O poema: leitores e leituras. Cotia: Ateliê, 2004. p. 139-152.

PERES, Ana Maria C. Chico Buarque. Recortes e paisagens. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2017.

PINHO, Sebastião Tavares de. A tradição do símile homérico e o seu lugar na epopeia virgiliana. Humanitas, v. 47, p. 499-530, 1995. Disponível em: https://www.uc.pt/fluc/eclassicos/publicacoes/ficheiros/humanitas47/35_Sebastiao_Pinho.pdf. Acesso em: 02 set. 2020.

RIFFATERRE, Michael. L’intertexte inconnu. In: Littérature. Intertextualité et roman en France, au Moyen Âge, n. 41, p 4-7. 1981. Disponível em: https://www.persee.fr/doc/litt_0047-4800_1981_num_41_1_1330 . Acesso em: 02 set. 2020.

SAMOYAULT, Tiphaine. A intertextualidade. Tradução Sandra Nitrini. São Paulo: Aderaldo & Rothschild, 2008.

SHIGETA, Ayumi. Interpretação pianística historicamente informada: subsídios analíticos para uma execução das Bagatelas op.126 de Ludwig van Beethoven. 2008. 84 f. Dissertação (Mestrado em Música) - Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

SILVA, Anazildo Vasconcelos da. A lírica buarqueana. In: FERNANDES, Rinaldo de (org.). Chico Buarque: o poeta das mulheres, dos desvalidos e dos perseguidos; ensaios sobre a mulher, o pobre e a repressão militar nas canções de Chico. São Paulo: Leya, 2013. p. 29-62.

VALLEJO, César. Obra poética completa. Madrid: Alianza editorial, 2006.

WISNIK, José Miguel. O minuto e o milênio ou Por Favor, professor, uma década de cada vez. 2004. Disponível em: https://artepensamento.com.br/item/o-minuto-e-o-milenio-ou-por-favor-professor-uma-decada-de-cada-vez/. Acesso em: 27 set. 2020.

ZARAGOZA FERNÁNDEZ, Luis. Canciones para una guerra: la propaganda republicana a través de la música durante la Guerra Civil Española. In: CHECA GODOY, a. et al (org.). La comunicación durante la Segunda República y la Guerra Civil. Madrid: Fragua, 2007. p. 485-501.

Downloads

Publicado

2021-02-14

Como Citar

Carvalho, M. M. (2021). Chico Buarque: citando “assim de viés”. Revista Texto Poético, 17(32), 173–198. https://doi.org/10.25094/rtp.2021n32a758