Citação, alusão, referência: procedimentos intertextuais no poema “Nós os vencidos do catolicismo”, de Ruy Belo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25094/rtp.2021n32a757

Palavras-chave:

Ruy Belo, «Nós os vencidos do catolicismo», intertextualidade

Resumo

Ruy de Moura Ribeiro Belo (1933-1978), relevante autor da literatura portuguesa contemporânea, produziu dezenas de poemas líricos relacionados, em diferentes graus, à temática judaico-cristã, tendo tomado a Bíblia sagrada como fonte primária de procedimentos intertextuais utilizados por ele. Focalizamos seu livro Homem de palavra[s] (1970), no qual o poema “Nós os vencidos do catolicismo” mostra algumas técnicas de intertextualidade mais usadas por Ruy Belo ao longo da sua obra lírica: citação, alusão e referência. Para um conhecimento e análise delas naquele texto poético, recorreremos às definições provindas dos críticos literários franceses Julia Kristeva (1941-), Gérard Genette (1930-2018) e Tiphaine Samoyault (1968-).

Biografia do Autor

Adriano Tarra Betassa Tovani Cardeal, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Mestrando de Literatura Portuguesa no Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários (PPGELI) da Faculdade de Ciências e Letras (FCL) da Universidade Estadual Paulista (UNESP), câmpus de Araraquara. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Maria Lúcia Outeiro Fernandes, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários e do Departamento de Linguística, Literatura e Letras Clássicas da Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista/UNESP, Araraquara, São Paulo, Brasil.

Referências

ATHAYDE, Manaíra Aires. Do espólio ao processo de criação. In: ATHAYDE, Manaíra Aires. Ruy Belo e o Modernismo brasileiro: poesia, espólio. Tese (Doutorado em Materialidades da Literatura) - Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coimbra, 2016.

BELO, Ruy. Aquele grande rio Eufrates. In: BELO, Ruy. Todos os poemas. Lisboa: Assírio & Alvim, 2009. p. 9-132.

BELO, Ruy. Homem de palavra[s]. In: BELO, Ruy. Todos os poemas. Lisboa: Assírio & Alvim, 2009. p. 241-364.

BÍBLIA SAGRADA (Nova Almeida Atualizada). Tradução de João Ferreira de Almeida. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2017. 1388 p.

CAMÕES, Luís Vaz de. Verdade, Amor, Razão, Merecimento. In: CAMÕES, Luís Vaz de. Rimas. Texto estabelecido e prefaciado por Álvaro J. da Costa Pimpão. Coimbra: Almedina, 2005. p. 199.

CAMÕES, Luís Vaz de. Os lusíadas. Edição organizada por Manuel Paulo Ramos. Porto: Porto, 2009. 642 p.

CÂNDIDO, Antônio. O estudo analítico do poema. São Paulo: Humanitas, 2006, 164 p.

CORDEIRO, Gonçalo Vítor Plácido. Velha aliança: da sensibilidade bíblica em alguma poesia portuguesa do final do século XX. 2011. 326 f. Tese (Doutoramento em Estudos Literários – Literatura Comparada) - Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa, 2011.

ERICKSON, Millard J. Dicionário popular de teologia. Tradução Emirson Justino. São Paulo: Mundo Cristão, 2011. 214 p.

FRANCO, João José de Melo (org.). Apresentação. In: FRANCO, João José de Melo. Carmina burana – Canções de Beuern: poemas latinos medievais (séculos XI, XII e XIII). Tradução, apresentação e notas de João José de Melo Franco. Rio de Janeiro: Íbis Libris, 2009. 136 p.

FRYE, Herman Northrop. Verticais de Adão. In: FRYE, Herman Northrop. A imaginação educada. Tradução Adriel Teixeira, Bruno Geraidine e Cristiano Gomes. Campinas: Vide Editorial, 2017. p. 93-112.

GENETTE, Gérard. Cinq types de transtextualité, dont l’hypertextualité. In: GENETTE, Gérard. Palimpsestes: la littérature au second degré. Paris: Seuil, 1982. p. 7-14.

GENETTE, Gérard. Palimpsestos: la literatura en segundo grado. Traducción Celia Fernández Prieto. Madrid: Taurus, 1989. 519 p.

HAMBURGER, Käte. O gênero lírico. In: HAMBURGER, Käte. A lógica da criação literária. Tradução Margot P. Malnic. São Paulo: Perspectiva, 1975. p. 167-209.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles; FRANCO, Francisco Manoel de Mello. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009. 1986 p.

KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. Tradução Lúcia Helena França Ferraz. São Paulo: Perspectiva, 2005. 212 p.

LIMA, Augusto César Pires de. A poesia religiosa na literatura portuguesa. Porto: Domingos Barreira, 1942. 176 p.

RÉGIO, José; SERPA, Alberto de. Na mão de Deus: antologia da poesia religiosa portuguesa. Lisboa: Portugália, 1958. 384 p.

RUBIM, Gustavo. Singular ínfimo. Inimigo Rumor, n.15, p. 87-91, jul./dez. 2003.

MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários. São Paulo: Cultrix, 2004. 520 p.

SAMOYAULT, Tiphaine. A intertextualidade. Tradução Sandra Nitrini. São Paulo: Aderaldo e Rothschild, 2008. 158 p.

SANT’ANNA, Marco Antônio Domingues. Introdução. In: SANT’ANNA, Marco Antônio Domingues. O gênero da parábola. São Paulo: Unesp, 2010. p. 11-14.

SCHMELLER, Johann Andreas (org.). Florebat olim studium. In: SCHMELLER, Johann Andreas (org.). Carmina burana: lieder und gedichte einer handscrift des XIII jahrhunderts aus Benedictbeuern. Breslau: Wilhelm Koebner, 1883. p. 40.

SILVA, José Maria da Costa. Ensaio biográfico-crítico sobre os melhores poetas portugueses. Lisboa: Imprensa Silviana, 1854. 330 p. v. 7.

SPINA, Segismundo. O formalismo estético trovadoresco. São Paulo: Ateliê, 2009. 232p.

VAN DEN BORN, A. (org.). Dicionário enciclopédico da Bíblia. Tradução Frederico Stein. Petrópolis: Vozes, 1977. 1589 p.

Downloads

Publicado

2021-02-14

Como Citar

Cardeal, A. T. B. T., & Fernandes, M. L. O. (2021). Citação, alusão, referência: procedimentos intertextuais no poema “Nós os vencidos do catolicismo”, de Ruy Belo. Revista Texto Poético, 17(32), 125–151. https://doi.org/10.25094/rtp.2021n32a757