Um processo de referenciação: breves diálogos entre Camões e Bocage

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25094/rtp.2021n32a753

Palavras-chave:

Luís de Camões, Manuel do Bocage, Classicismo, Neoclassicismo, Mimesis.

Resumo

A partir do pressuposto de que a referenciação é uma premissa considerável no que se refere às formas de construção artística, este artigo tem como objetivo refletir sobre como a poesia de Manuel Maria du Bocage referencia e cita a de Luís de Camões, uma vez que este lhe serve de modelo não apenas estético, mas também social e, portanto, ético. O desdobramento da discussão caminha junto às breves reflexões filosóficas, especialmente à luz dos entendimentos aristotélico e horaciano, que norteiam a noção do processo de mímesis, e, portanto, de referenciação, notável nas poesias do Classicismo e do Neoclassicismo.

Biografia do Autor

Flávia Pais de Aguiar, Universidade federal Fluminense

Doutoranda em Literatura Comparada no Programa de Pós-Graduação em Estudos de Literatura da Universidade Federal Fluminense/UFF, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil, sob a orientação da Prof. Dra. Ida Maria Alves.

Referências

BOCAGE, Manuel Maria Barbosa du, 1765 – 1805. Poemas. Organização José Lino Grünewald. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015. (Edição Especial 50 anos).

BRANDÃO, Roberto de Oliveira. Introdução. In: ARISTÓTELES, HORÁCIO, LONGINO. A poética clássica. 1. ed. 17. reimpr. Introdução Roberto de Oliveira Brandão. Tradução Jaime Bruna. São Paulo: Cultrix, 2014.

CAMÕES, Luís de. Versos e alguma prosa de Luís de Camões. Prefácio e seleção de textos de Eugênio de Andrade. Lisboa: Moraes Editores, 1977.

COMPAGNON, Antoine. O trabalho da citação | Antoine Compagnon; tradução de Cleonice P. B. Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1996. 176p.

HORÁCIO. In: Aristóteles, Horácio, Longino. poética clássica. Introdução Roberto de Oliveira Brandão. 1. ed. 17 reimp. Tradução Jaime Bruna. São Paulo: Cultrix, 2014.

MAFFEI, Luís. “Canto a Beleza. Canto a Putaria”: de Bocage a Camões, de Bocage e Camões a Adília. Via Atlântica., v. 11, p. 75-86, 2007. https://doi.org/10.11606/va.v0i11.50664

MOISÉS, Massaud. A Literatura Portuguesa através dos textos. 26. ed. São Paulo: Cultrix, [1986] 2000.

PERLOFF, Marjorie. O gênio não original: poesia por outros meios no novo século. Tradução Adriano Scandolara. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2013. 314p.

PLATÃO. O Mito da Caverna. São Paulo: Edipro. 2015.

PIRES, Daniel. Bocage lírico. 2005a. Disponível em: https://purl.pt/1276/1/lirico.html. Acesso em: 12 jul. 2020.

PIRES, Daniel. Eis Bocage...duzentos anos depois. 2005b. Disponível em: https://purl.pt/1276/1/bocage.html. Acesso em: 12 jul. 2020.

RUEDAS DE LA SERNA, Jorge Antônio. Arcádia: tradição e mudança. São Paulo: EDUSP, 1995.

SAMOYAULT, Tiphaine. A intertextualidade. Tradução Sandra Nitrini. São Paulo: Aderaldo & Rothschild, 2008. 160p. (Linguagem e Cultura; 40).

SANTANA, Rafael. “Não te imito nos dons da Natureza”: Bocage, leitor de Camões. Scripta, v. 17, n. 33, p. 33-52, 2013. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2013v17n33p33

SANTANA, Rafael. A farmácia de Camões. Abril – NEPA / UFF, v.11, n.23, p.71-82, jul./dez. 2019. https://doi.org/10.22409/abriluff.v11i23.30274

SENA, Jorge de. Trinta anos de Camões. Lisboa: Edições 70, 1980.

Downloads

Publicado

2021-02-14

Como Citar

Aguiar, F. P. de. (2021). Um processo de referenciação: breves diálogos entre Camões e Bocage. Revista Texto Poético, 17(32), 152–172. https://doi.org/10.25094/rtp.2021n32a753