Hilda Hilst leitora: uma introdução à biblioteca da Casa do Sol

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25094/rtp.2020n30a695

Palavras-chave:

Hilda Hilst, arquivo, biblioteca, marginália, processo.

Resumo

Tendo em vista a paixão pelo conhecimento e a centralidade da atividade de leitura para a escritora Hilda Hilst – fato identificável na amplitude de sua biblioteca, nas referências a diversos autores em seus livros, nas anotações em seus cadernos e nas entrevistas que dava –, este artigo delineia uma prática de leitura produtiva que acontece simultaneamente a um processo de escrita. Para tanto, faz uma introdução à biblioteca da Casa do Sol, local em que Hilda Hilst viveu por quase quarenta anos e onde construiu a maior parte de sua obra. Ao trazer para a cena os escritos hilstianos que correm à margem do que foi publicado – ampliando, dessa maneira, as materialidades da escrita – questiona-se os fundamentos do que se costuma caracterizar como “obra” literária.

 

 

Biografia do Autor

Aline Leal Fernandes Barbosa, PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO

Bolsista PNPD/Capes com o projeto Dez Mil sóis: um estudo da marginália da biblioteca da Casa do Sol

Referências

Referências bibliográficas

BARTHES, Roland. O rumor da língua. São Paulo: Brasiliense, 2004.

BARTHES, Roland. A preparação do romance, vols. 1 e 2. Éric Marty e Nathalie Lèger (orgs.). Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BARTHES, Roland. O prazer do texto. Trad. Jacó Ginsburg. São Paulo: Perspectiva, 2015.

BEATO, Zelina. O conceito de memória e suas implicações para a concepção da tradução como resgate. Revista Tubarão, v. 1, n. 2, p. 157- 181, jan./abr. 2014.

BECKER, Ernest. A negação da morte. Trad. Otavio Alves Velho. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1976.

DERRIDA, Jacques. Mal de Arquivo, uma impressão freudiana. Trad. Cláudia de Moraes Rego. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

________. Gramatologia. Trad. Miriam Chnaiderman e Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 2013.

DINIZ, Cristiano (org). Fico besta quando me entendem. São Paulo: Editora, 2013.

HILST, Hilda. Com os meus olhos de cão e outras novelas. São Paulo: Brasiliense, 1986.

----------------. Rútilo nada/ A obscena senhora D/ Qadós. Campinas: Pontes, 1993.

----------------. Fluxo-floema. São Paulo: Editora Globo, 2003.

----------------. Rútilos. São Paulo: Editora Globo, 2003a.

----------------. Júbilo, memória, noviciado da paixão. São Paulo: Editora Globo, 2008.

----------------. Poemas malditos, gozosos e devotos. São Paulo: Editora Globo, 2011.

----------------. Da morte. Odes mínimas. São Paulo: Editora Globo, 2013.

----------------. Estar sendo, ter sido. São Paulo: Editora Globo, 2013a.

----------------. Cascos & carícias e outras crônicas. São Paulo: Editora Globo, 2013b.

----------------. Do desejo. São Paulo: Editora Globo, 2014.

----------------. Pornochic – O caderno rosa de Lori Lamby/ Contos d’escárnio textos grotescos/ Cartas de um sedutor. São Paulo: Editora Globo, 2016.

KAZANTZAKIS, Nikos. Carta a el Greco. Trad. Clarice Lispector. Rio de Janeiro: Artenova, 1970.

MORAES, Eliane Robert. A prosa degenerada de Hilda Hilst. Cleusa Gomes & Regina Przybycien, orgs. Poetas mulheres que pensaram o século XX. Curitiba: Editora UFPR, 2008.

PÉCORA, Alcir. Nota do organizador. In: HILST, H. Fluxo-floema. São Paulo: Globo, 2003. p. 9-13.

PÉCORA, Alcir. Hilda Hilst: call for papers. Germina Revista de Literatura e Arte. Ago 2005. Disponível em www.germinaliteratura.com.br/ (Acesso em 20/01/2020)

TISCOSKI, Luciana. Os irmãos de Hilda Hilst: Intertextualidade e Experiência Interior (Mestrado em Literatura Brasileira) Universidade Federal de Santa Catarina, 2011.

TOLSTÓI, Liev. A morte de Ivan Ilitch. Trad. Boris Schneiderman. São Paulo: Editora 34, 2006.

Documentos: Biblioteca da Casa do Sol; Arquivos do Acervo Hilda Hilst, do Centro de documentação Alexandre Eulálio (Cedae - IEL - Unicamp)

Downloads

Publicado

2020-05-31

Como Citar

Leal Fernandes Barbosa, A. (2020). Hilda Hilst leitora: uma introdução à biblioteca da Casa do Sol. Revista Texto Poético, 16(30), 142–160. https://doi.org/10.25094/rtp.2020n30a695