“UM PASSEIO NOS CAMPOS SERIA UMA VIAGEM PELO MUNDO”: A POÉTICA DOS CAMPOS DE DALCÍDIO JURANDIR

Autores

  • André Luís Valadares de AQUINO UFPA
  • Gunter Karl PRESSLER UFPA

DOI:

https://doi.org/10.25094/rtp.2016n21a367

Resumo

A linguagem poética na prosa de Dalcídio Jurandir, que estreou em 1941 com Chove nos campos de Cachoeira, revela a caraterística do romance moderno de poetizar a estrutura narrativa. Este fato estético é recorrentemente posto à margem pela interpretação dominante na história da recepção da obra dalcidiana no Brasil, sob o argumento da representação documental e regionalista. A abordagem da linguagem poética e sua força figurativa justifica-se como procedimento de identificação da nova tendência do nouveau roman nouveau (Stierle, 1997), categoria de dimensão universal na obra de Dalcídio Jurandir, pois a linguagem poética abre uma constelação de sentidos, instáveis e imprevistos, desestabilizadora da determinação referencial.

Palavras-chave: Dalcídio Jurandir; Romance Moderno: Linguagem Poética; Prática Significante.

Referências

ANDRADE, Carlos D. de. Claro enigma. [1ª ed. de 1951]. Rio de Janeiro: Record, 1991.

AQUINO, A. de. “Um passeio nos campos seria uma viagem pelo mundo”: Linguagem e Experiência em Dalcídio Jurandir. Bragança/PA: PPGLSA/UFPA (Dissertação de Mestrado), 2013.

______. Diários de Viagem. In: Catálogo da 10ª edição da Bolsa de Criação. Experimentação, Pesquisa e Divulgação Artística. Belém: IAP, 2012.

BARTHES, R. Elementos de semiologia. Trad. Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 2006.

______. Inéditos, I: Teoria / Roland Barthes. Trad. Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2004. (Col. Roland Barthes).

______. Roland Barthes por Roland Barthes. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 1977.

______. Introdução à Análise Estrutural da Narrativa. In: A Análise Estrutural da Narrativa. Seleção de Ensaios da revista ‘Communications’. Petrópolis, RJ: Vozes 1971. (Novas Perspectivas em Comunicação, 1)

BAUDELAIRE, C. Crepúsculo Matinal. In: Flores do Mal. Trad. Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012. p. 357.

BENJAMIN, W. Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. Trad. José Martins Barbosa, Hemerson Alves Baptista. São Paulo: Brasiliense, 1989. (Obras Escolhidas, v. 3).

BLANCHOT, M. O espaço literário. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

BORGES, J. L. Ficções. Trad. Carlos Nejar. Porto Alegre: Abril Cultural, 1972. (Col. Os Imortais da Literatura).

BOSI, A. História concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix, 1970.

CAMPOS, H. de. A arte no horizonte do provável. São Paulo: Perspectiva, 1969. (Col. Debates).

______. Metalinguagem e outras metas: São Paulo: Perspectiva, 1992. (Col. Debates).

CAMPOS, A. de; CAMPOS, H. de. Os Sertões dos Campos – Duas vezes Euclides. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1997.

CAMPOS, A. de; CAMPOS, H. de; PIGNATARI, D. Mallarmé. São Paulo: Perspectiva, 2006. (Col. Signos).

FAUSTINO, M. Rupestre africano. In: O homem e sua hora. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 197.

FREEDMAN, R. The lyrical novel: studies in Hermann Hesse, André Gide and Virginia Woolf. New Jersey: Princeton University Press, 1963.

JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. Trad. Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 2003.

______. Linguística, poética e cinema. [Vários Tradutores]. São Paulo: Perspectiva, 1970.

______. Os Oxímoros dialéticos de Fernando Pessoa. In: Linguística, poética e cinema. 2. ed. Trad. Haroldo de Campos, com a colaboração de Francisco Achcar. São Paulo: Perspectiva, 2007.

JURANDIR, D. Chove nos Campos de Cachoeira. Belém: CEJUP, 1991.

______. Edição crítica de Chove nos Campos de Cachoeira. Coord. Rosa Assis. Belém: EDUNAMA, 1998.

______. Chove nos Campos de Cachoeira. Apres. Rosa Assis. Rio de Janeiro: 7Letras, 2011.

MENEZES, F.; SANTOS, M.; PRESSLER, G. (Orgs.), Dalcídio Jurandir. Bibliografia geral e estudos críticos. La Coruña/Espanha 2014 [eBook].

MONTEIRO, B. O cancioneiro do Dalcídio. Belém: Falângola; Rio de Janeiro: PLG, 1985.

PAZ, O. Signos em rotação. Trad. Sebastião Uchoa Leite. São Paulo: Perspectiva, 1972.

POMORSKA, K. Formalismo e futurismo. A teoria formalista russa e seu ambiente poético. Trad. Sebastião Uchoa Leite. Org. Haroldo de Campos e Boris Schnaiderman. São Paulo: Perspectiva, 1972.

PRESSLER, G. O espelho adiantado: sobre a recepção da obra de Dalcídio Jurandir. In: Biagio D’Angelo, Maria Antonieta Pereira. Um rio de palavras. Estudos sobre literatura e cultura da Amazônia. Lima: Fondo Editorial de La Universidad Catolica Sedes Sapientiae, 2007, p. 125-147.

______. Benjamin (Baudelaire): a Tarefa do Tradutor: Zilly (Euclides da Cunha), In: MOARA (Belém), n. 18, 2004, p. 147-158.

______. Dalcídio Jurandir – A escrita do Mundo Marajoara não é regional é Universal. Revista GELNE. (Grupo de Estudos Linguísticos do Nordeste), vol. IV, n. 1/2, 2002, p. 277-279.

PROPP, V. Morfologia do Conto Maravilhoso. Trad. Jasna Paravich. Org. Boris Schnaiderman. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

STIERLE, K. Ästhetische Rationalität. Kunstwerk und Werkbegriff. München: Wilhelm Fink, 1997 [1996].

ZILLY, B. “Posfácio” in: Euclides da Cunha, Krieg im Sertão. Frankfurt a.Main/Alemanha, 2000. p. 757-783.

Downloads

Publicado

2016-12-28

Como Citar

AQUINO, A. L. V. de, & PRESSLER, G. K. (2016). “UM PASSEIO NOS CAMPOS SERIA UMA VIAGEM PELO MUNDO”: A POÉTICA DOS CAMPOS DE DALCÍDIO JURANDIR. Revista Texto Poético, 12(21), 171–213. https://doi.org/10.25094/rtp.2016n21a367

Edição

Seção

Vária