Filosofia do nome: a busca pela matéria em ‘A obscena senhora D’, de Hilda Hilst

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25094/rtp.2020n30a689

Palavras-chave:

Hilda Hilst, A obscena senhora D, Hylè, Khôra, Nome.

Resumo

O presente artigo se constrói a partir da novela A obscena senhora D, de Hilda Hilst, e da relação entre a protagonista da novela, Hillé, e a figura grega Hylè, aproximadas, aqui, principalmente pelo nome e pelo sensível – seja da carne, seja da palavra. O objetivo é pensar a força étima que busca esclarecer os dramas da linguagem e do corpo, pensando também um segundo nome, Senhora D, representada imageticamente pelo “D’’ (arco e reta), que conduz um possível entendimento da configuração da matéria tanto como corpo-carne quanto potência e linguagem, corpo-palavra. A metodologia busca aproximar o pensamento reflexivo de Hilst com o pensamento de filósofos como Platão e Derrida de maneira ensaística e dialógica. Pensar filosoficamente com Hilda Hilst é o resultado. E a conclusão é uma anticonclusão obscena que forja uma filosofia dos nomes.

Biografia do Autor

Thaise Maria Dias

Possui uma formação híbrida: graduação em Filosofia pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Especialização em Ciências da Religião pelas Faculdades Santo Agostinho (FASA). Mestrado em Letras/Estudos Literários (UNIMONTES). Pratica filosofia pop (contracultura) e disto resulta um currículo transdisciplinar. Tem experiência na área de filosofia com ênfase em feminismo, literatura e mística. Desenvolve pesquisa sobre a obra de María Zambrano e Hilda Hilst. Membro do Grupo de Pesquisa em Filosofia e Literatura (Resolução nº 038 - CEPEX/2014) UNIMONTES.

Pablo Vinícius Dias Siqueira, Universidade Federal de Minas Gerais

Escritor e Filósofo. Mestre em Literatura/Estudos Literários pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) e Doutor em Teoria da Literatura e Literatura Comparada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Dissertação e tese sobre Clarice Lispector. Tem experiência na área de Literatura e de Filosofia, com ênfase em Literatura Brasileira Contemporânea, Filosofia da literatura, Ética, Estética e Políticas do contemporâneo.

Referências

BUENO, Maria Aparecida. Hilda Hilst. In: BUENO, Maria Aparecida. Quatro mulheres e um destino. Rio de Janeiro: UAPÊ, 1996.

CÂNDIDO, Antônio. “Os primeiros baudelairianos”. In: CÂNDIDO, Antônio. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Editora Ática, 1989.

CAVALCANTI, José Antônio. Deslimites da prosa ficcional em Hilda Hilst: uma leitura de “Fluxo”, Estar sendo. Ter sido, Tu não te moves de ti e A obscena senhora D. Tese (Doutorado em Ciência da Literatura). Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.

DERRIDA. Jacques. Khôra. Trad. Nícia Adan Bonatti. São Paulo: Papirus, 1995a.

DERRIDA. Jacques. Paixões. Trad. Lóris Z. Machado. Campinas: Papirus, 1995b.

GREINER, Christine. O teatro Nô e o Ocidente. São Paulo: Annablume: Fapesp, 2000.

HILST, Hilda. A obscena senhora D. São Paulo: Globo, 2001.

HILST, Hilda. Do desejo. São Paulo: Globo, 2004.

HILST, Hilda. Fico besta quando me entendem: entrevistas com Hilda Hilst. Organização de Cristiano Diniz. São Paulo: Globo, 2013.

LINS, Daniel. “A metafísica da carne: que pode o corpo”. In: LINS, Daniel; GADELHA, Sylvio (Orgs.). Nietzsche e Deleuze: que pode o corpo. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

PÉCORA, Alcir. “Nota do organizador”. In: HILST, H. A obscena senhora D. São Paulo: Globo, 2001.

PÉCORA, Alcir. (Org.). Por que ler Hilda Hilst? São Paulo: Globo, 2010.

PÉCORA, Alcir. A moral pornográfica. Suplemento Literário de Minas Gerais. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais, nº 70, abr. 2001, p. 16-19.

LACAN, Jacques. Do Barroco. Trad. M. D. Magno. In: O seminário, livro 20: mais, ainda. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 1985. p.142-159.

PLATÃO. Crátilo: ou da correção dos nomes. Trad. Edson Bini. São Paulo: Edipro, 2010.

PLATÃO. Timeu. Trad. Norberto de Paula Lima. Paraná: Hemus, 2002.

Downloads

Publicado

2020-05-31

Como Citar

Dias, T. M., & Dias Siqueira, P. V. (2020). Filosofia do nome: a busca pela matéria em ‘A obscena senhora D’, de Hilda Hilst. Revista Texto Poético, 16(30), 39–52. https://doi.org/10.25094/rtp.2020n30a689