“Sublime feminino” em Cecília Meireles

Autores

  • Fabiano Rodirgo da Silva Santos
  • Sheila Dálio

DOI:

https://doi.org/10.25094/rtp.2019n28a619

Palavras-chave:

sublime, motivos femininos, poesia brasileira, lírica do século XX.

Resumo

Este estudo visa abordar as relações entre a representação feminina e o sublime, por meio da comparação entre dois momentos da poesia de Cecília Meireles: sua obra inaugural, Espectros (1919), e sua produção madura, representada por Viagem (1939), Vaga Música (1942) e Mar Absoluto e Outros Poemas (1945). Sensível às influências simbolistas e da tradição romântica, Cecília Meireles cria um sistema de imagens que orbitam em torno de figuras femininas envoltas em melancolia e fatalidade e delineadas a partir de convenções sublimes. Daí ser possível depreender na poesia ceciliana um motivo reincidente que aqui convencionamos denominar “sublime feminino”.

Referências

ANDRADE, Mário de. O Empalhador de Passarinho. 3. ed. São Paulo/Brasília: Martins/INL, 1972.

______. Prefácio interessantíssimo. In:______. Pauliceia desvairada. Barueri: Novo Século, 2017.

AZEVEDO FILHO Leodegário A. de. Poesia e Estilo de Cecília Meireles. Rio de Janeiro: José Olympio, 1970.

BURKE, Edmund. Uma investigação filosófica sobre a origem de nossas idéias do sublime e do belo. Trad. Enid Abreu Dobránszky. Campinas: Papirus, 1993.

CANDIDO, Antonio & CASTELLO, José. Aderaldo. “Cecília Meireles”, Presença da Literatura Brasileira: III – Modernismo. 2º ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1967, pp. 114-124.

CRUZ E SOUSA, João da. Poesias Completas. Introdução de Tasso da Silveira. Rio de Janeiro: Ediouro, 1997.

DAL FARRA, Maria. Lúcia. Cecília Meireles: imagens femininas. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644778>. Acesso em: 27 de Abr. de 2019.

GOUVÊA, Leila. Ensaios sobre Cecília Meireles. São Paulo: Humanitas, FAPESP, 2007.

. Pensamento e “Lirismo Puro” na Poesia de Cecília Meireles. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

KANT, Immanuel. Crítica da faculdade do juízo. Tradução de Valerio Rohden e António Marques. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

KRISTEVA, Julia. Sol Negro Depressão e Melancolia. In. “O além realizado aqui mesmo”. Tradução de Carlota Gomes. 2º Ed. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1989, p. 95- 100.

LÖWY, Michael & SAYRE, Robert. Revolta e melancolia: o Romantismo na contramão da modernidade. Trad. Nair Fonseca. 1º ed. São Paulo: Boitempo, 2015.

LYOTARD, Jean-François. Lições sobre a Analítica do sublime. Trad. Constança Marcondes César e Lucy R. Moreira César. Campinas, SP: Papirus, 1993.

MOISÉS, Massaud. A literatura brasileira Vol. IV O Simbolismo (1893-1902). São Paulo: Cultrix, 1966.

PAES, José Paulo. O art nouveau na literatura brasileira. In. Gregos e Baianos: ensaios. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985, p. 64 – 80.

PRAZ, Mario. A carne, a morte e o diabo na literatura romântica. Trad. Philadelpho Meneses. Campinas: Editora da Unicamp, 1994.

SECCHIN, Antonio Carlos. Poesia Completa/Cecília Meireles. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

SCHOPENHAUER, Arthur. Metafísica do belo. Tradução, apresentação e notas de Jair Barbosa. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

Downloads

Publicado

2019-10-15

Como Citar

da Silva Santos, F. R., & Dálio, S. (2019). “Sublime feminino” em Cecília Meireles. Revista Texto Poético, 15(28), 401–428. https://doi.org/10.25094/rtp.2019n28a619