“OCEANO COLIGIDO”: ONDE A LINGUAGEM FAZ QUESTÃO

Autores

  • Fernando Fábio Fiorese FURTADO Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

DOI:

https://doi.org/10.25094/rtp.2010n9a47

Resumo

Os muitos desvios e as numerosas passagens da lírica moderna à contemporânea ainda estão para ser mapeados por uma “crítica” que, apenas muito recente e lentamente, faz-se disponível ao apelo da palavra poética do seu tempo. Inserida no horizonte desta travessia, quando o signo utópico da modernidade parece esmorecer e declinar, o presente trabalho propõe a leitura do poema “Oceano coligido”, de Iacyr Anderson Freitas, com o intuito de desvelar como opera o poeta face a uma linguagem degenerada. Trata-se de pensar a palavra poética quando já não lhe resta quaisquer resíduos do vigor mítico, quando perdeu-se para sempre a inocência do verbo capaz de apurar o real ou dizer o sentido do homem.

Downloads

Como Citar

FURTADO, F. F. F. (2010). “OCEANO COLIGIDO”: ONDE A LINGUAGEM FAZ QUESTÃO. Revista Texto Poético, 6(9). https://doi.org/10.25094/rtp.2010n9a47

Edição

Seção

Artigos