Escrevendo-se mulher: um diálogo entre a crítica feminista e a lírica de Maria Teresa Horta

Autores

  • Natália Salomé de SOUZA
  • Vinicius Carvalho PEREIRA

DOI:

https://doi.org/10.25094/rtp.2014n17a230

Resumo

 Maria Teresa Horta, poetisa portuguesa

contemporânea, faz de sua lira um exercício do que a crítica

feminista convencionou chamar de écriture féminine , ou

escrita feminina. Suas escolhas estéticas são, pois, escolhas

também políticas, em que a poesia se constrói a partir do corpo

numa busca do sentido do ser mulher . Perquirição identitária

no seio da linguagem, os poemas da autora se constituem

como experiências eróticas de autoconhecimento, em que

a mulher possa se entender como positividade, e não como

negação do masculino. No presente artigo, colocam-se em

diálogo teorias da crítica feminista e alguns textos da obra

de Maria Teresa Horta, a fim de melhor compreender como 

 a escrita feminina da autora (e por que não da eu-líricA?)

pode ser metonímia de uma busca de todas as mulheres por

um espaço de diferença sexual – inalienável do gozo, da letra,

do poema.

Downloads

Como Citar

SOUZA, N. S. de, & PEREIRA, V. C. (2015). Escrevendo-se mulher: um diálogo entre a crítica feminista e a lírica de Maria Teresa Horta. Revista Texto Poético, 10(17). https://doi.org/10.25094/rtp.2014n17a230

Edição

Seção

Vária