Inconciliáveis carvoeirinhos: ambivalências em "Meninos carvoeiros", de Manuel Bandeira

Autores

  • Wilson José FLORES JR. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

DOI:

https://doi.org/10.25094/rtp.2010n8a15

Resumo

As interpretações de “Meninos carvoeiros” tenderam a destacar, quase exclusivamente, a empatia existente entre o eu-lírico e os carvoeirinhos. O poema foi, por isso, frequentemente tomado como representante de procedimentos apontados pela crítica como peculiares à produção de Manuel Bandeira: poesias essencialmente “simples” e “humildes”, construídas em instantes quase mágicos de “alumbramento”, as quais teriam alcançado a aproximação com a vida dos mais pobres e com o chão mais imediato do cotidiano, conciliando, por meio da profunda empatia, o que historicamente no Brasil permanece inconciliável. Este texto procura discutir essa interpretação, enfatizando os aspectos inconciliáveis, as tensões e ambivalências que também enformam o poema de O ritmo dissoluto.

Downloads

Como Citar

FLORES JR., W. J. (2013). Inconciliáveis carvoeirinhos: ambivalências em "Meninos carvoeiros", de Manuel Bandeira. Revista Texto Poético, 6(8). https://doi.org/10.25094/rtp.2010n8a15

Edição

Seção

Artigos