João Cabral, leitor de Natividade Saldanha

Autores

  • Éverton Barbosa CORREIA

DOI:

https://doi.org/10.25094/rtp.2009n6a155

Resumo

Em 1949, João Cabral de Melo Neto escreve uma carta a Manuel Bandeira em que revela o desejo de “desenterrar” José da Natividade Saldanha – poeta, publicista e político envolvido na Confederação do Equador. Quando publicado, o livro A escola das facas (1980) trouxe uma composição intitulada “Um poeta pernambucano” que descrevia a vida do patriota liberal oitocentista.  A partir daí, passa a ser curioso que um poeta tão avesso a especulações biográficas tenha se empenhado em esmiuçar a vida de outro, com fortes marcas históricas vinculadas à sua existência e à sua produção literária. Refletindo sobre a obra do outro poeta, João Cabral encontra um correspondente formal que serve para analisar um percurso histórico que interessa aos seus princípios de composição, porque cerradamente encravado na história brasileira e na biografia de um sujeito, com quem não deixa de se identificar. 

Downloads

Como Citar

CORREIA, Éverton B. (2014). João Cabral, leitor de Natividade Saldanha. Revista Texto Poético, 5(6). https://doi.org/10.25094/rtp.2009n6a155

Edição

Seção

Artigos