Das vozes insurgentes no movimento poetry slam à reexistência do slam das minas: a estética da poesia da quebrada pelas manas, monas e monstras

Patrícia Pereira da Silva, Paulo Eduardo Benites de Moraes

Resumo


O presente estudo analisa os poemas de Roberta Estrela D’alva e Bell Puã, publicados em Querem nos calar: poemas para serem lidos em voz alta (2019). Tais poemas desafiam as noções de representação, de mimese, bem como do próprio conceito de poética, em seus sentidos clássicos, e abordam os sentidos do poético como espaço performático naquilo que remonta ao vínculo entre corpo e fala, voz e performance, canto e ritmo. Sob a égide da não representação ou da anti-mimese, as vozes insurgentes das minas apontam para uma reexistência social tanto do poeta quanto da própria poesia, as quais integram o movimento de ressignificação da poesia brasileira contemporânea em contexto urbano, de rua, periférico por meio da conjuntura do poetry slam.


Palavras-chave


performance; poética. poetry slam; reexistência; voz feminina.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.25094/rtp.2020n31a710

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Indexado nas seguintes bases bibliográficas:

Periódicos Capes  Latindex  Diadorim  Abec  Google Acadêmico  Sumários.Org  LivRe  DOAJ   Clase