A presença de Paris em Ave, Palavra, de Guimarães Rosa: pela palavra, o homem toca a cidade

Fabrício Lemos da Costa, Sílvio Augusto de Oliveira Holanda

Resumo


Este artigo tem como objetivo refletir sobre a presença de Paris como experiência poética em Ave, Palavra (2009), de João Guimarães Rosa. Para isso, analisaremos as várias imagens que se amontoam ao longo das impressões do autor diplomata no que tange à relação do homem a partir da cidade. Assim, pela impressão, o poeta toca o lugar, inserindo-o no plano reflexivo, sobretudo ao participar de experiências universais, em que há espaço para o ennui, em sentimentos que se conformam na tristeza, tédio da paisagem deprimente, em Spleen, assim como estímulo da poiesis no passeio público, em zológicos, parques e restaurantes. Neste estudo, discutiremos a presença de uma poética em Paris nos textos “Terrae Vis”, “Do Diário em Paris”, “Zoo (Jardin des plantes)” e “Zoo (Parc Zoologique du Bois de Vincennes)”.


Palavras-chave


Guimarães Rosa; Ave, Palavra; Paris; cidade; poético.

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. Obras Escolhidas III Trad. José Carlos Martins Barbosa e Hemerson Alves Baptista. São Paulo: Editora Brasiliense, 1989.

BAUDELAIRE, Charles. As Flores do mal. Trad. Jamil Almansur Haddad. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

COUTINHO, Eduardo F. Grande Sertão: Veredas. Travessias. São Paulo: Realizações Editora, 2013.

FANTINI, Marli. Guimarães Rosa: fronteiras, margens, passagens. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

LIMA, Luiz Costa. Por que literatura. Petrópolis: Vozes, 1969.

CAVALCANTE, Neuma; MINÉ, Elza. Memória da leitura e rememoração da viagem: cartas de João Guimarães Rosa para Aracy de Carvalho Guimarães Rosa. In: A Poética migrante de Guimarães Rosa. Organização de Marli Fantini. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. pp. 426-443.

NUNES, Benedito. O Amor na obra de Guimarães Rosa. In: A Rosa que é de Rosa: literatura e filosofia em Guimarães Rosa. Organização de Victor Pinheiro Sales. Rio de Janeiro: Difel, 2013. pp. 37-77.

NUNES, Benedito. Bichos, plantas e malucos no sertão rosiano. In: A Rosa que é de Rosa: literatura e filosofia em Guimarães Rosa. Organização de Victor Pinheiro Sales. Rio de Janeiro: Difel, 2013. pp. 279-297.

NUNES, Benedito. De Sagarana a Grande Sertão: veredas. In: Crivo de Papel. São Paulo: Edições Loyola, 2014. pp.209-226.

OLIVEIRA, Silvana Maria Pessôa de. O Poder do lugar e a força do mundo ou “Minha gente”. In: Outras Margens: estudos da obra de Guimarães Rosa. Organização de Lélia Parreira Duarte e Maria Theresa Abelha Alves. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. pp. 267-274.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Tradução de Ari Roitman e Paulina wacht. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

RÓNÁI, Paulo. Nota da primeira edição. In: ROSA, Guimarães. Ave, Palavra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009. pp. 17-19.

RÓNÁI, Paulo. Advertência da segunda edição. In: ROSA, Guimarães. Ave, Palavra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009. pp. 21-22.

ROSA, João Guimarães. Ave, Palavra. 6ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

SPERBER, Suzi Frankl. Caos e Cosmos: Leituras de Guimarães Rosa. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1976.

SILVA, Maria Ivonete Santos. Prefácio. In: CUNHA, Betina R.R. da. Um tecelão ancestral: Guimarães Rosa e o discurso mítico. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: FAPEMIG; Araxá, UNIARAXÁ, 2009. pp.19-20

TATIT, LUIZ. Semiótica à luz de Guimarães Rosa. São Paulo: Atêlie Editorial, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.25094/rtp.2019n28a605

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Indexado nas seguintes bases bibliográficas:

Periódicos Capes  Latindex  Diadorim  Abec  Google Acadêmico  Sumários.Org  LivRe  DOAJ   Clase